E agora, José?

A volta do patriarca da família Batista ao comando da JBS desperta dúvidas no mercado e intensifica a guerra com o BNDES

Durante a última década, quando a JBS consolidou a sua ascensão, os irmãos Joesley e Wesley Batista se acostumaram a ficar sob os holofotes. Volta e meia, a dupla era destacada por sua estratégia agressiva e ousada, capaz de transformar um frigorífico regional na maior processadora de proteína animal do mundo. Em boa parE agora, José?te dos relatos de mercado sobre essa trajetória, um personagem surgia como coadjuvante: o patriarca do clã, José Batista Sobrinho. Natural de Alfenas (MG), Zé Mineiro, como ficou conhecido, mudou-se ainda menino para Anápolis.

Na cidade do interior de Goiás, já adulto, ele fundou a Casa de Carnes Mineira, em 1953. O pequeno açougue cresceu ao vender carne para os operários contratados para construir Brasília e deu origem à Friboi que, anos mais tarde, seria rebatizada com as iniciais do nome do empresário e ganharia o mundo. “A história não é só hoje. Tem muita coisa para trás e eu quero que isso sirva de exemplo para todos”, afirmou José Batista Sobrinho em uma série de vídeos institucionais divulgada em 2014, na qual a companhia resgatava suas origens. “Eu tinha garra. Como estudei pouco, era o que eu podia oferecer. Garra, pontualidade e determinação.”

Se esses traços da personalidade de José Batista Sobrinho foram fundamentais no início desse enredo, eles serão ainda mais importantes no roteiro da JBS para o futuro. O empresário acaba de retornar à presidência executiva da companhia, função que deixou de exercer ainda na década de 1980, quando foi substituído pelo filho mais velho, José Batista Júnior, mais conhecido como Júnior Friboi. “Fico orgulhoso de reassumir a empresa que fundei”, afirmou o empresário em comunicado divulgado após o anúncio. “Tenho muita confiança no desempenho da nossa liderança, em todos os nossos gestores e nos nossos 235 mil colaboradores.” Aos 84 anos, ele é um dos bilionários mais idosos a comandar uma megacorporação no mundo.

A nomeação acontece em um dos momentos mais delicados da empresa, envolvida em uma série de escândalos. Assim como nos bons tempos, os dois integrantes mais famosos da família Batista são os protagonistas desse contexto turbulento. Na manhã de 13 de setembro, Wesley, que presidia a JBS desde 2011, foi preso e encaminhado à sede da Polícia Federal, em São Paulo. Joesley, que já estava detido em Brasília, juntou-se ao irmão dois dias depois. Eles são acusados de usar informações privilegiadas em transações no mercado financeiro. Até o fechamento desta edição, todos os pedidos de habeas corpus haviam sido negados pela Justiça. E, na quinta-feira 21, a dupla foi indiciada nos desdobramentos da investigação.

Com informações da IstoÉ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *