Busca de Temer por apoio de governadores para a reforma da Previdência é um dos destaques da coluna de hoje.

Reforma da Previdência: Temer quer apoios de governadores

Foto: Marcos Correa/PR.

quarta (22) no Palácio da Alvorada governadores de estados e do Distrito Federal para discutir apoio para a reforma da Previdência. O articulador do encontro foi o governador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF). Em seguida Temer almoçou com os chefes dos executivos estaduais.

Valorização da magistratura

A presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Cármen Lúcia, finalizou o XI Encontro Nacional do Poder Judiciário, em Brasília, com o anúncio das Metas Nacionais para os tribunais do País em 2018, uma defesa da unidade do Judiciário e a valorização da magistratura. “O Judiciário é um só no Brasil; não temos vários poderes judiciários”, disse a ministra Cármen Lúcia ao agradecer aos magistrados de todo o País pela participação na elaboração das metas do Judiciário.

De volta à cadeia

A Justiça Federal determinou que o presidente da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), Jorge Picciani, Edson Albertassi e Paulo Melo, todos do PMDB, voltem à cadeia. Eles havia sido soltos por deliberação da Alerj, decisão que causou revolta generalizada. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, também reagiu e apresentou ontem (21) ao Supremo uma ação com pedido de liminar defendendo a manutenção da prisão. Se aprovada, a ação pode mudar decisão anterior do STF que favoreceu o senador Aécio Neves e acabou criando a jurisprudência que tem permitido legislativos de vários estados livrarem seus pares da cadeia.

De volta à cadeia II

A Polícia Federal no Rio de Janeiro prendeu nesta quarta-feira (22) o ex-governador do Estado, Anthony Garotinho, e sua esposa, Rosinha Garotinho, também ex-governadora. O casal é acusado de envolvimento em uma série de irregularidades quando ocuparam seus mandatos.

Mensalão tucano

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negou, por unanimidade, os embargos declaratórios da condenação do ex-governador do estado Eduardo Azeredo (PSDB). Ele foi condenado pelo mensalão mineiro em 2015, mas o caso data de 1998, quase vinte anos atrás. Os três desembargadores da 5ª Câmara Criminal do TJMG rejeitaram os recursos apresentados pela defesa contra a sentença fixada em mais de 20 anos. Na primeira instância, ele foi condenado por peculato e lavagem de dinheiro a 20 anos e 10 meses de prisão, além de pagamento de 1905 salários mínimos. Ele é acusado de fazer parte do esquema de desvio de dinheiro das empresas estatais de Minas Gerais que ficou conhecido como o mensalão tucano.

Contra Sérgio Moro, procuradores abandonam palestra

O juiz Sérgio Moro, da lava jato, já não faz sucesso como antigamente. Nesta terça (21) à noite, em Curitiba, por exemplo, um grupo de procuradores abandonou, sob protesto, o XV Congresso Brasileiro da Associação Nacional dos Procuradores Municipais (ANPM) justamente quando o magistrado iniciou sua palestra. A direção da ANPM recebeu ainda um manifesto assinado por 72 procuradores de todo o país contra a presença de Sérgio Moro no evento realizado na capital paranaense.

Suplicy e Haddad brigam pelo Senado

Uma briga interna toma conta do PT nas últimas semanas. O ex-senador e atual vereador Eduardo Suplicy quer porque quer retornar ao Senado. Seu desejo, no entanto, confronta com o do ex-prefeito e ex-ministro Fernando Haddad. Este último parece ser o queridinho da direção petista para o cargo, já que estão tentando convencer Suplicy a disputar a Câmara dos Deputados.

Plano B

Se Haddad for confirmado para o Senado, como quer a direção do partido, subentende-se que ele não será o plano B caso o ex-presidente Lula seja condenado em segunda instância e impedido de concorrer à Presidência da República. Assim, as portas estariam abertas para a senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional da legenda.

Bola Dentro

As últimas semanas trouxeram alguns indicadores positivos, como a redução nas taxas de desemprego, que parecem já afetar a percepção dos brasileiros. A pesquisa DataPoder360 de novembro indica que 46% acreditam que a economia vai melhorar nos próximos meses. Só 14% disseram que a situação ficará pior. A economia ficará estacionada para 21% dos entrevistados. Outros 19% não sabem ou não responderam.

Bola Fora

Os eventos adversos em hospitais são a segunda causa de morte mais comum no Brasil. Todo dia, 829 brasileiros falecem em decorrência de condições adquiridas nos hospitais, o que equivale a três mortos a cada cinco minutos. Os números integram o primeiro Anuário da Segurança Assistencial Hospitalar no Brasil, do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), produzido pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) a partir de um termo de cooperação entre as duas instituições.

Frase do Dia

“Acredito que haverá um repúdio enorme aos candidatos desses três maiores partidos (PMDB, PSDB e PT)”.

Ex-ministro do Supremo, Joaquim Barbosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *