Anvisa manda recolher cerca de 200 lotes de medicamentos para pressão alta

Pouco dias depois do Dia Nacional de Combate à Hipertensão, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) resolveu recolher aproximadamente 200 lotes de medicamentos para hipertensão arterial. Segundo a agência, os medicamentos recolhidos são os remédios que possuem os princípios ativos do tipo “sartanas”, como a losartana, valsartana, candersartana, olmesartana e irbesartana (clique aqui para baixar PDF com a lista).

Eles foram recolhidos por suspeita de conter “impurezas” que podem causa câncer em casos de exposição de longo prazo.

Em 2018, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) identificou a impureza N-nitrosodimetilamina no princípio ativo valsartana, produzido pela empresa chinesa Zhejiang Hauahai Pharmaceuticals. Com essa primeira identificação, a EMA começou uma análise mais detalhada das “sartanas” de vários laboratórios. Ao todo, já foram 14 suspensões de três insumos – losartana, valsartana e irbesartana – de dez fabricantes internacionais.

No Brasil, até agora foram avaliadas 29 empresas e 111 medicamentos vendidos no ano passado. De acordo com a Ronaldo Gomes, gerente geral da área de Inspeção e Fiscalização Sanitária (GGFIS) da Anvisa, esta é uma medida para garantir a segurança e a saúde da população.

“É importante notar que essa é uma ação conjunta, que envolve esforços da Anvisa e de todos os fabricantes dos medicamentos, que estão ajudando a detectar quais são os lotes afetados pelo problema e voluntariamente recolhendo os produtos do mercado”, informa Gomes.

Além do recolhimento desses primeiros lotes e da fiscalização das empresas fabricantes dos medicamentos, a Anvisa também anunciou a suspensão da fabricação, importação, distribuição, comercialização e o uso dos insumos com suspeita de contaminação.

Os riscos

Em nota, a Anvisa informou que, mesmo em casos de uso contínuo, autoridades europeias calcularam que o risco de câncer associado ao uso do medicamento é baixo. Veja como agir se encontrar um lote listado:

  • Continuar tomando seu medicamento, a menos que tenham sido aconselhados a parar pelo seu médico;
  • Não interrompa o tratamento e converse um médico ou farmacêutico;
  • Somente troque de medicamento quando já tiver o novo em mãos. A interrupção do tratamento da hipertensão pode produzir malefícios instantâneos, como derrame, ataques cardíacos e insuficiência renal.

Desabastecimento

Existem várias alternativas de medicamentos para pressão arterial disponíveis da mesma classe terapêutica e com os mesmos princípios ativos e concentração dos remédios recolhidos. Segundo a Anvisa, por esse motivo, não há risco de ocorrer falta de medicamentos ou desabastecimento.

Da Redação com informações do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *