Estudantes protestam em todo o país contra cortes na Educação

Estudantes, professores e movimentos sociais de todo o Brasil protestam, na manhã desta quarta-feira (15/05/2019), contra o contingenciamento de verbas da Educação, anunciado pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL).

A comunidade acadêmica prometeu para esta quarta uma Greve Nacional da Educação, protesto unificado em todo o país contra a reforma da Previdência (PEC nº 6/2019). O movimento foi convocado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e diversos atos acontecem nas cidades.

Em Brasília, a mobilização começará a partir das 10h, com concentração no Museu Nacional da República. O movimento abrange as 678 instituições públicas de ensino fundamental e médio na capital, além da Universidade de Brasília (UnB) e do Instituto Federal de Brasília (IFB).

A orientação de aderir à paralisação nacional da educação foi tomada após assembleia-geral realizada na última quarta-feira (08/05/2019) pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE). A UnB sofreu contingenciamento de 40% nos recursos, perda de R$ 48,5 milhões que pode afetar gastos com água, luz e segurança. Os bloqueios também atingiram a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Somente na instituição federal de ensino superior, foram eliminadas 123 bolsas.

No Twitter Brasil, a hashtag #TsunamiDaEducação está entre as mais comentadas devido às manifestações organizadas pela comunidade acadêmica.

Rio de Janeiro
“No lugar de armas para a população, mais educação”. A faixa é levantada por estudantes em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro. Aderindo a greve, os manifestantes fecharam a BR-356, em frente à Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF). O protesto conta com apoio do Movimento Sem-Terra (MST) e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF).

São Paulo
Na capital paulista, estudantes e professores fecharam uma das entradas da Universidade de São Paulo (USP). Além do contingenciamento de verba na Educação, os manifestantes aproveitaram para protestar contra a reforma da Previdência e o governo Bolsonaro.

Belo Horizonte
Em BH, estudantes do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet) se concentram na Avenida Amazonas, no bairro Nova Suíça. Cerca de 100 jovens protestam. Entre as faixas: “Luto pela Educação” e “A aula hoje é na rua”.

Maranhão
Na região Nordeste do país, estudantes, professores e sindicalistas bloquearam o portão de acesso à Universidade Federal do Maranhão. “Educação não é mercadoria”, diz um dos cartazes. O movimento conta com a participação do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Zé Doca (Sindsep).

Rio Grande do Norte
No Rio Grande do Norte, mais de 50 pessoas participam da paralisação. Eles estão em frente ao Instituto Federal. O movimento conta com participação especial da governadora do estado, Fátima Bezerra (PT).

Cortes na educação
No último dia de abril, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou que cortaria 30% dos recursos de universidades que promovessem “balbúrdia” nos campi. Três universidades foram enquadradas nesse requisito pelo chefe da pasta: a Universidade de Brasília (UnB), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Universidade Federal da Bahia (UFBA). Segundo ele, a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Minas Gerais, estava sob avaliação.

No mesmo dia, a UnB confirmou o bloqueio de 30% anunciado pelo ministério. A instituição disse não ter sido comunicada anteriormente de nenhum corte e contestou a declaração de Weintraub de não promover bagunça. “Como toda universidade, é palco para o debate livre, crítico, organizado por sua comunidade, com tolerância e respeito à diversidade e à pluralidade.”

Convidado para participar de uma transmissão semanal via Facebook do presidente Jair Bolsonaro (PSL), Weintraub tentou explicar como seriam realizados os bloqueios e reforçou que, na verdade, não foram feitos “cortes”, mas um “contingenciamento”. “Não está cortado. Deixa para comer depois de setembro”, disse na ocasião, ao usar chocolates para explicar o orçamento das instituições.

Assim, de acordo com o ministro, o bloqueio é de 24,84% das despesas discricionárias, que incluem gastos como contas de água, luz, compra de material básico, contratação de terceirizados e realização de pesquisas. O valor total contingenciado, considerando todas as universidades, é de R$ 1,7 bilhões, ou 3,43% do orçamento completo — incluindo despesas obrigatórias.

Da Redação com informações do Metrópoles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *