Chamado de traidor por deputados do PSL, Bolsonaro recua em reforma da previdência de policiais

 

Após manifestações de agentes de segurança pública que chamavam, junto a 20 deputados do PSL, o presidente Jair Bolsonaro de “traidor” por tê-los mantido fora do regime de previdência especial reservado aos militares na reforma da Previdência, Bolsonaro recuou.

Sindicatos de policiais protestaram na segunda e na terça-feira (1 e 2) contra o regime proposto pelo ministro da Fazenda Paulo Guedes para a categoria, considerado por eles “pior aposentadoria policial do mundo”, e ecoaram gritos de “Bolsonaro traidor” na Câmara. A mobilização ganhou coro entre congressistas do PSL, partido do governo.

O recado chegou aos ouvidos do presidente que, a contragosto de Guedes, se mobilizou para modificar a reforma e agradar sua base de apoio. Bolsonaro conversou com o relator da previdência, Samuel Moreira (PSDB-SP) e com outros deputados.

Ficou acordado também que Paulo Guedes não comentaria sobre a mudança, para não gerar mais instabilidade na reforma.

Da Redação

Por Revista Forum

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *